Ir para site do PS/Açores

Para Ricardo Serrão Santos a experiência acumulada pelos investigadores nos Açores e a vontade, que agora se manifesta, de se fomentarem debates e linhas de colaboração, entre a União Europeia e os pequenos países e
territórios insulares do Oceano Pacífico, no âmbito do desenvolvimento da economia azul baseada no conhecimento científico e numa boa governação são factores decisivos para a intensificação dos projetos comuns.

O eurodeputado açoriano é um dos 12 deputados europeus presentes no 14 Encontro Regional da Região do Pacífico da Assembleia Parlamentar Conjunta dos países de África, Caraíbas e Pacífico e a União Europeia que termina esta sexta-feira em Port Vila, Vanuatu e particularmente dedicada às questões do clima, dos oceanos e do desenvolvimento sustentável.

Serrão Santos que interveio nos painéis “Perspectivas do Pacífico sobre as mudanças climáticas“ e  “A economia azul e a governação marinha, incluindo as pescas” lembrou que “os Açores, através de investigadores do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores têm uma já longa ligação aos países ACP e, especificamente, a esta zona do Pacífico, à qual o Doutor Telmo Morato do DOP dedicou dois anos de estudo sobre a influência dos montes submarinos na distribuição de grandes pelágicos“.

A perspectiva de se desenvolverem estas parcerias está, enfatizou, em linha com “o Objectivo 14 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, que defende a valorização do contributo da biodiversidade para o desenvolvimento dos países, em particular dos pequenos estados insulares e países menos desenvolvidos. Para isso importa que se desenvolva a capacidade de pesquisa e o uso da tecnologia marinha, aumentando a saúde dos oceanos e o conhecimento”. Os países e territórios do Pacífico apresentam uma mensagem fortemente articulada e convergente sobre a importância dos Oceanos e assumem-se como uma voz forte importante no contexto mundial. Há que reconhecer que esta zona do planeta é das mais ameaçada pelas mudanças climáticas, com territórios e ilhas em risco de desaparecimento.

Referindo-se à economia azul, Serrão Santos referiu que “o uso sustentável do mar abre novas oportunidades, em especial nos pequenos estados insulares”. Deu como exemplo a experiência dos Açores, que tem registado um crescimento notável ao nível do turismo ligado ao mar. Mas também o facto desta região do Pacífico e a zona da dorsal media Atlântica partilharem interesses e preocupações equivalentes no contexto da mineração do mar
profundo.

O deputado, que também é coordenador dos socialistas europeus para a área das pescas, defendeu ainda algumas das prioridades europeias como são o combate à pesca ilegal, não reportada e não regulamentada e a necessidade
de cumprir os objectivos para o desenvolvimento sustentável e lutar contra as alterações climáticas globais. “Há diversos Estados membros da ACP que estão particularmente vulneráveis às alterações climáticas.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário